Duque

Por Os Cães do Parque


Em Outubro, uma denúncia muito triste de abandono chegou até nós. Quem nos ligou pedindo ajuda, foi a Rosana, que mora numa comunidade ao lado do parque e que conhecemos há alguns meses, numa história contada AQUI.

Uma família se mudara da casa em que vivera durante anos e simplesmente abandonaram na rua os seus dois cães. Questionada pelas vizinhas, a pessoa chamada Eva - que não tivemos o desprazer de conhecer - disse que não ia mesmo levar os cães, que não queria mais ficar com eles e que, segundo ela: "Deus cuida".

Resolver esse tipo de situação causada por gente irresponsável não faz parte da nossa maneira de trabalhar. Mas, muito por consideração a Rosana, no dia 23 de Outubro de 2011, fomos até lá conhecer os cães e ver no que poderíamos ajudar.


Na casa abandonada e semi-destruída, dois cachorrinhos. Um deles se chamava Bidu, jovem, pequeno, amistoso: poderíamos conseguir uma adoção para ele. Mas o outro era velhinho, rabugento, arredio. Quando chegamos lá, estava 'guardando' um chinelo velho de mulher, certamente da 'dona' que o abandonara, como que tentando não se separar dela. Esse era o Duque.

Sujinho, maltratado e obviamente traumatizado: dos dois cães, certamente era ele quem mais estava sentindo o fato de ter sido abandonado. Tinha nos olhos aquela expressão de estranheza e incompreensão que nos acostumamos a perceber em animais encontrados nessa situação. Só faltava perguntar: cadê minha família?

Inscrição encontrada na casa das pessoas que abandonaram os cães
Ao proprietário da casa, com quem conversamos, orientamos a registrar um boletim de ocorrência contra a tal Eva - e ele teria duas razões para isso: ela deixara a casa que deveria estar desocupada com impedimentos (dois cães) e ainda cometera crime ambiental, previsto na lei 9605/98 (abandono de animais). Ele deveria ir até a delegacia de polícia e registrar um boletim de ocorrência.

Mas o fato é que, pessoas diante de fatos como esse, não querem se envolver, não querem confusão: querem apenas se livrar do problema. No caso dele, bastava que os cães sumissem e tudo estaria bem.

Nós não tínhamos nenhuma solução imediata para o caso. Convencemos o dono da casa a ser tolerante e aguardar algum tempo. Os cães permaneceriam lá, nós ajudaríamos fornecendo rações e a Rosana responsabilizou-se por alimentá-los e vigiá-los.

Mas, bem longe dali, a estrela do Duque estava começando a brilhar.

Naquela semana, alguns filhotes que estávamos anunciando para adoção estavam despertando muito interesse e muitos emails de candidatos a adotá-los estavam chegando. Vários de fora de São Paulo. Entre eles, escreveu-nos a Suzy, que mora em Jambeiro (SP): ela queria adotar um dos filhotes. Explicamos que não havia justificativa para levar um cachorrinho para uma viagem relativamente longa, se a adoção dele aqui mesmo em São Paulo era certa. Mas que havia outros cães pelos quais viajaríamos. E mostramos fotos dos dois cachorrinhos abandonados.

A resposta foi imediata: Suzy queria adotar o Duque, o "velhinho com lindos olhos de amor", conforme ela mesma descreveu.

Demorou ainda algumas semanas para que conseguíssemos providenciar que o Duque passasse pelos procedimentos de praxe para ser adotado e para que conseguíssemos encaixar a viagem na nossa agenda entupida de afazeres.

Mas, no dia 20 de Novembro de 2011, o Duque saiu para sempre da deprimente casa abandonada. Nos dias seguintes, foi vermifugado, vacinado, esterilizado, ganhou banho e tosa. Virou um novo cachorrinho: um Duque repaginado e limpinho, mais parecendo um bicho de pelúcia. 

Esterilizado, tosado, limpinho: Duque, esperando o dia de viajar


Ficou com a gente uma semana, tempo suficiente para que sua rabugice diminuísse um pouco. No dia 27 de Novembro de 2011, finalmente, o Duque viajou até Jambeiro (SP) e encontrou um sítio cheio de verde, cheio de espaço, mais alguns 'amigos' adotados. E encontrou-se com a Suzy. 

As imagens falam por si.







Quando nos perguntam por que, afinal, fazemos o que fazemos e por que, afinal, dedicamos tanto tempo, dinheiro e energia nisso, temos vontade de explicar com histórias como essa. Não há muito segredo em viabilizar a adoção de filhotinhos, que acabam sendo todos inevitavelmente adotados. Mas uma reabilitação e uma adoção como a do Duque vale por muitas.

O velhinho rabugento de "lindos olhos de amor" viverá os últimos anos de sua vida com outra noção de espaço, companhia, tratamento e conforto. E aquela pessoa que o deixou para trás, dizendo que "Deus cuida", talvez não estivesse, no fim das contas, tão errada.

É: Deus cuida, dona Eva. Mas só de quem merece.

Entrevista com o novo amigo do Duque






Observação! O Bidu, colega de infortúnio do Duque, também já não mora mais naquele endereço. Uma semana depois nós também o tiramos de lá. Ele já está pronto para ser adotado também e será anunciado nos próximos dias.

3 comentários:

  1. Suzy, parabéns pelo seu gesto e de todo pessoal dos Cães do Parque. São histórias como essas que nos enchem de esperanças de que podemos sim deixar filhos melhores para nosso mundo...

    ResponderExcluir
  2. MEUS PARABENS SUZY,BEIJOS NO SEU CORAÇÃO POR ESTE ATO LINDO,QUE DEUS ESTEJA SEMPRE NA SUA VIDA E QUE VOCEIS SEJAM MUITO,MAIS MUITO FELIZES.BEIJOS QUERIDA.FÁTIMA ANGELO

    ResponderExcluir
  3. Teresa Cristina André12 de dezembro de 2011 09:27

    Boa sorte Duque,q agora vc possa conhecer o q é amor na casa dessa família iluminada q te acolheu! Parabéns, Fabio, Soraia, Beleleu e todos q proporcionam uma vida melhor a quem não pede nada a ninguem a não ser amor.

    ResponderExcluir